Arqueólogos descobrem local onde João Batista foi preso e decapitado

Atualmente em ruinas, a fortaleza de Maquero foi reconstruída pelo rei Herodes, onde Salomé dançou e posteriormente pediu a cabeça de João Batista como "prêmio".
Colunas do salão da fortaleza de Maquero, onde Salomé dançou e posteriormente, pediu a cabeça de João Batista como prêmio. (Foto: Haaretz)


Arqueólogos descobriram um Mikvá ou Mikvé (tanque usado para batismos judaicos) nas ruínas de Maquero, uma fortaleza construída pelo vassalo do rei romano Herodes, na região da Jordânia, a 24 quilômetros ao sudeste da foz do rio Jordão, na costa leste do Mar morto. A fortaleza também teria sido o local onde Salomé dançou e João Batista foi decapitado.

 A fortaleza de Maquero foi erguida em uma colina proeminente a cerca de 32 quilômetros a sudoeste de Madaba. O local de banho ritualístico do Mikvá, usado para purificação foi aparentemente construído para o uso pessoal da família real de Herodes.

O tanque é o maior de seu tipo já encontrado na Jordânia. Possui 12 degraus e uma piscina de reserva, contendo água para preencher a piscina quando sua água escorrer.

Além de suas dimensões, a arquitetura se parece muito com o Mikvá descoberto em Qumran, do outro lado do Mar Morto, em Israel, que anteriormente era considerado como único.

O Mikvá gigante foi encontrado a três metros abaixo do pátio real, onde permanceu escondido por 2.000 anos, soterrado por areia e poeira. Originalmente tinha sido equipado com um teto de pedra abobadado.

A investigação arqueológica de Maquero foi realizada pela primeira vez em 1968 pela Missão Americana Batista Arqueológica, liderada por E. Jerry Vardamann.

As escavações mais recentes, de uma equipe fortaleza ocidental, com cerca de 9,2 metros de altura. Pela primeira vez, desde o início, as dimensões extraordinárias da cidadela do deserto de Herodes foram reveladas.

As escavadeiras também encontraram uma vasta cisterna subterrânea com 18 metros de profundidade, que irrigava os jardins da fortaleza do deserto do Mar Morto e os banhos de estilo romano. A análise arqueológica mostrou que a cisterna permaneceu em uso durante todo o período herodiano.

As escavadeiras também descobriram dezenas de moedas hasmoneanas e romanas, bem como 47 fragmentos de cerâmica quebrados inscritos com letras aramaicas.

Onde Salomé dançou

Na verdade, Herodes - conhecido como o grande construtor da antiguidade - não foi o criador deste palácio real na Jordânia. Ele era de origem hasmoneana, e tinha sido erguido pelo rei Alexander Jannaeus em torno de 90 aC, em um planalto alto conhecido como Mukawir, que se eleva a 800 metros de altitude acima do Mar Morto árido. O que Herodes fez foi reformar e reconstruir a fortaleza que Jannaeus já havia construído.

Maquero teve uma importância estratégica para a defesa da Judeia, em parte, graças à visão de sua capital, Jerusalém. Os escritos rabínicos relatam que a fumaça dos sacrifícios poderia ser vista subindo dos altares do templo herodiano em Jerusalém, desde Maquero (Mishná 3, Tamid 3.8).

Qualquer exército que se aproximasse de Jerusalém do leste, primeiro teria que ocupar Maquero. Os sinais de fumaça poderiam ser vistos nas paredes da fortaleza, alertando as outras cidades sobre os inimigos.

Como Plínio, o ancião escreveu: "Maquero, depois de Jerusalém, a fortificação mais forte da Judeia" (Historia Naturalis, V. 15, 16). Evidentemente, os romanos consideraram o local mais fortificado do que a fortaleza de Masada (construída por Salomão). Mas então, Maquero era mais do que apenas um posto avançado militar.

Ao reformar Maquero, Herodes também construiu um palácio com um pátio, um tanque de estilo romano, um local para jantar extravagante e um pátio formal com um pequeno jardim real, rodeado de pórticos em quatro lados.

Foi ali que, de acordo com o historiador Flávio Josefo, Salomé dançou para Herodes Antipas.

Decapitação de João Batista

Pouco antes da Páscoa em 32 d.C, o rei Herodes realizou uma grande celebração por causa de seu aniversário em Maquero. Durante as festividades convidou sua enteada, a princesa Salomé para dançar diante de seus convidados.

O rei ficou tão satisfeito com a apresentação de Salomé que ele prometeu-lhe qualquer coisa que ela pedisse, até a metade do seu reino. Sobre o conselho de sua mãe cruel, de acordo com a história, a sobrinha de Herodes pediu a cabeça de João Batista como seu "prêmio".

Embora muito angustiado, Herodes, "E o rei entristeceu-se muito; todavia, por causa do juramento e dos que estavam com ele à mesa, não lha quis negar. E, enviando logo o rei o executor, mandou que lhe trouxessem ali a cabeça de João. E ele foi, e degolou-o na prisão; E trouxe a cabeça num prato, e deu-a à menina, e a menina a deu a sua mãe."(Marcos 6:26-28.)

De acordo com Josefo, João Batista foi levado à prisão de Maquero e decapitado naquela fortaleza ("Antiguidades Judaicas", livro 18, capítulo 5, par. 2 [Loeb 18.119]).

Os arqueólogos também reconstituíram duas antigas colunas herodianas da ordem dórica (3,8 metros de altura) que estavam no pátio real do peristletilo, onde Salomé teria dançado e outra da ordem iônica (4,7 metros de altura) que estava em pé O palácio da casa de banho.
Publicidade
Publicidade

Aleatórios

Tecnologia do Blogger.