GOSPEL TIMES

Seguir

Hackers do EI invadem site cristão brasileiro e ameaçam mulheres


Na última quarta-feira (26) o site do Ministério Libertar foi invadido por hackers ligados ao Estado Islâmico, pois na mensagem deixada eles utilizaram a bandeira do grupo terrorista.

O site de cunho escatológico, apologético e político é atualizado por Marcos Paulo Goes que traz uma série de notícias relacionadas ao mundo cristão.

Após recuperar o controle do site Marcos comentou o ocorrido dizendo que as frases deixadas traziam uma série de ameaças aos cristãos e judeus brasileiros, principalmente contra mulheres.

“A invasão foi por volta das 15 horas, e apresentava simplesmente uma arte com a bandeira do Isis juntamente com traços da bandeira brasileira, e também alguns dizeres em árabe e inglês que traduzindo ao pé da letra diziam: ‘Cristãos e Judeus são porcos sujos’ e ‘nós entramos no seu país e agora suas mulheres são nossas!’ Além do tradicional grito ‘Allahu akbar’, ‘Alá é grande'”, relatou Goes.

A assinatura do grupo foi o que chamou mais a atenção do dono do site, pois o grupo de hackers se chamou de “Jihad Brasil”. “Ou seja, a ação se originou de um grupo extremista de dentro do Brasil!”, explica Marcos Goes.


“Este acontecimento serve para nos deixar claro à que estágio chegou a ação dos extremistas islâmicos no Brasil. Isso faz parte da agenda globalista esquerdista, que é destruir toda resistência da cultura judaico-cristã conservadora pelo mundo, e o Brasil é um alvo declarado!”

 Ataque chama atenção de possíveis ações de terroristas no Brasil

No ano de 2014, durante a Copa do Mundo, a Polícia Federal chegou a prender alguns homens que estariam ligados a grupos terroristas que já teriam jurado lealdade ao Estado Islâmico.

A Operação Hashtag conseguiu monitorar mensagens trocadas pelos suspeitos e chegou a cada um deles efetuando a prisão.

Na semana passada dois islâmicos ligados a grupos extremistas em solo brasileiro foram presos na Paraíba. De acordo com a Delegacia de Defraudações e Falsificações da Paraíba, um dos homens era saudita e o outro iraquiano.

No telefone celular de um deles foram encontradas mais de 5 mil fotos ou vídeos  que comprovam a ligação dele com grupos extremistas.

Ainda de acordo com a delegacia os homens identificados como Saleh Alderaibi, 41 anos, e Feras Ali Haussn, 43 anos, seriam membros de uma quadrilha internacional especializada em falsificar documentos para facilitar imigrações. autor
 
Este site ou as suas ferramentas de terceiros utilizam cookies, que são necessários ao seu funcionamento e necessários para atingir os objetivos ilustrados na política de cookies. Ao clicar em "Aceito" você concorda com o uso de cookies.