Recent Posts

Contributors

Dinamarqueses acusam imã de pedir a morte de judeus

24/07/2018
ESTOCOLMO (AFP) - Nesta terça-feira, promotores dinamarqueses acusaram um imã de pedir a morte de judeus no primeiro caso do tipo na nação nórdica, o que provocou indignação política.

Imam Mundhir Abdallah, que prega no bairro de Norrebro, em Copenhague, na mesquita Masjid Al-Faruq, que a mídia tem ligado ao islamismo radical, é acusado de citar um hadith ou uma narrativa do alcorão que pedem que os muçulmanos se levantem contra os judeus.

"O Dia do Julgamento não virá até que os muçulmanos lutem contra os judeus e os matem", disse Abdallah em um vídeo no Facebook e no YouTube em março.

"Essas são declarações sérias e acho que é justo que o tribunal tenha agora uma oportunidade de avaliar o caso", disse a promotora Eva Ronne em um comunicado.

Esta é a primeira vez que a acusação levantou tais acusações sob um código penal, introduzido em 1 de janeiro de 2017, sobre a pregação religiosa.

Ronne disse que é legal citar livros religiosos como o Alcorão e a Bíblia, mas que incitar ou acolher as mortes de pessoas pode ser punido com até três anos de prisão.

"Sempre foi ilegal aceitar assassinatos de um certo grupo de pessoas, mas é novo para nós atacar os pregadores do ódio", acrescentou.

O caso será levado ao tribunal distrital de Copenhague, mas a data do julgamento não foi marcada, disse a promotoria.

"Profundamente preocupante"

A comunidade judaica, que em maio apresentou uma queixa sobre o discurso do imã, saudou a decisão da promotoria de apresentar queixa.

Dan Rosenberg Asmussen, chefe da comunidade, disse à emissora dinamarquesa TV2 que "não havia dúvidas sobre as intenções" na declaração do imã.

"Foi profundamente preocupante", acrescentou Rosenberg.

Ministro da imigração e integração, Inger Stojberg, que tem sido franco contra as práticas islâmicas na Dinamarca, descreveu o discurso do imã como "horrível, antidemocrático e abominável".

De acordo com o radialista DR, Omar al-Hussein, que esteve por trás de uma série de tiroteios em uma conferência de livre expressão e uma sinagoga judaica em Copenhague em fevereiro de 2015, que deixou duas pessoas mortas, visitou a mesquita no dia anterior.

A Dinamarca publicou em maio uma lista de seis estrangeiros acusados ​​de pregar ódio - cinco deles pregadores muçulmanos e um evangélico, proibindo-os por pelo menos dois anos.

A lista inclui dois sauditas, um canadense, um sírio e dois americanos, incluindo o pastor Terry Jones, que queimou cópias do Alcorão em 2011.

Veja Também

Nenhum comentário:

Postar um comentário